Brasil pode atrasar em 20 anos meta proposta pelo Plano Nacional de Saneamento

Apesar dos avanços dos últimos anos em saneamento básico, serão necessários R$ 19,8 bilhões anuais para atingir a universalização até 2033, conforme as metas estabelecidas pelo Plano Nacional de Saneamento Básico no Brasil. Mantendo-se o nível atual de investimentos, estimado em R$ 10 bilhões, para o biênio 2016-2017, pela consultoria GO Associados no estudo “Diagnósticos e Perspectivas para os investimentos em saneamento no Brasil”, a universalização só viria em 2052.

As companhias públicas detêm a maior abrangência de atuação do país e serão fundamentais para a melhoria dos indicadores de cobertura. As operadoras municipais, incluindo empresas, autarquias, departamentos e outros órgãos atendem 19% da população em água e 38% em esgotamento sanitário. Já as empresas estaduais atendem cerca de 75% da população em água e 50% em esgoto. Em um cenário de maior restrição orçamentária, as parcerias público-privadas surgem como alternativa para aprimorar a gestão e retomar a capacidade de investimento de operadores públicos.

Segundo dados do Sistema Nacional de Informações Sobre Saneamento–SNIS, o investimento de empresas privadas foi de R$ 1,1 bilhão ao ano, no período de 2012 a 2015. Para Pedro Scazufca, sócio da GO Associados e responsável pela condução do estudo, “a ampliação da participação do setor privado é um caminho natural para a evolução dos índices de saneamento no Brasil, dado o interesse dos operadores privados e sua alta capacidade de investimento”. O estudo destaca também que já existem bons modelos de parcerias entre o público e o privado, que podem ser reproduzidas.

A Aegea atua como administradora de concessões públicas, operando em todos os processos do ciclo integral da água – abastecimento, coleta e tratamento de esgoto. Os ativos de saneamento são gerenciados por meio de concessões plenas ou parciais e de parcerias público-privadas. A solidez financeira e credibilidade da Aegea garantem soluções de saneamento sob medida para municípios de todos os portes. Os projetos contam sempre com tecnologia de ponta, sistemas atualizados para acompanhar o desenvolvimento das cidades, visando a melhoria contínua da qualidade de vida das pessoas.

CEO da Aegea discute Parcerias Público-Privadas no Insper

Share Button

Os comentários estão fechados.